ORIGEM DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ÉVORA

Tela seiscentista de Nossa Senhora Rainha da Misericórdia (pode visualizar-se na Igreja da Misericórdia de Évora), inspirada na iluminura do “Compromisso da Misericórdia de Lisboa” de 1520 e inspiradora das bandeiras das misericórdias

Tela que representa uma das obras corporais da Santa Casa - "Remir os Cativos"

Pórtico da Igreja de S. Joãozinho - 1.ª sede da Santa Casa da Misericórdia de Évora.

A 15 de Agosto de 1498 em Lisboa - no ano em que os navegadores portugueses atingiam a Índia, ao fim de quase um século de navegações oceânicas - surgiu a primeira misericórdia portuguesa em resultado de especial intervenção da Rainha D. Leonor, com o total apoio do Rei D. Manuel I.

Nos grandes centros urbanos, como Lisboa, o desenvolvimento da expansão marítima, da actividade portuária e comercial favorecia o afluxo de gente na vã procura de trabalho ou de enriquecimento. As condições de vida degradavam-se e as ruas transformavam-se em antros de promiscuidade e doença, por onde passava toda a sorte de desgraçados, pedintes e enjeitados. Os naufrágios e as batalhas também originavam grande número de viúvas e órfãos e a situação dos encarcerados nas prisões do Reino era aflitiva.

D. Leonor, rainha viúva de D. João II, instituiu uma Irmandade de  Invocação a Nossa Senhora da Misericórdia, na Sé de Lisboa (Capela de Nossa Senhora da Piedade ou da Terra Solta) onde passou a ter a sua sede. Assim, no ano em que os navegadores portugueses atingiam a Índia, ao fim de quase um século de navegações oceânicas, surgia uma nova confraria orientada por princípios estabelecidos no Compromisso (estatuto ou regulamento) da Misericórdia.

O Compromisso originário da Misericórdia de Lisboa (provavelmente perdido com o terramoto de 1755), foi aprovado pelo Rei D. Manuel I e depois confirmado pelo Papa Alexandre VI. Deste documento foram tiradas diversas cópias e fez-se uma edição impressa (1516), que veio permitir a divulgação mais rápida do texto e, desta forma, facilitar a criação de outras misericórdias por todo o Reino e nos territórios de além-mar.

A Irmandade, constituída primitivamente por cem irmãos, actuava junto dos pobres, presos, doentes, e apoiava os chamados "envergonhados" (pessoas decaídas na pobreza, por desgraça). A todos os necessitados socorria dando pousada, roupas, alimentos, medicamentos ou mezinhas. Mas a Irmandade também promovia uma importante intervenção a nível religioso, presente nas orações e na celebração de missas e procissões, nas cerimónias dos enterros, no acompanhamento de condenados à morte ou na promoção da penitência. Desta forma, os Irmãos anunciavam o Evangelho com palavras mas também com obras concretas, testemunhadas através de atitudes cristãs.

A Misericórdia adoptou como símbolo identificador a imagem da Virgem com o manto aberto, protegendo os poderes terrenos (reis, rainhas, príncipes, etc.) e os poderes espirituais (papas, cardeais, bispos, clérigos ou membros de ordens religiosas); a protecção estendia-se também a todos os necessitados, representados por crianças, pobres, doentes, presos, etc. Este símbolo passou a ser impresso nos compromissos, desenhado em azulejos, esculpido em diversos edifícios e pintado em telas, designadamente nos pendões, bandeiras ou estandartes que cada Misericórdia possuía. O rápido crescimento do prestígio da Misericórdia de Lisboa trouxe-lhe um maior número de responsabilidades que se estenderam à administração do Hospital Real de Todos-os-Santos, dedicando-se então à protecção dos enjeitados. A sua acção estendeu-se também ao apoio às órfãs. As novas irmandades também promoveram a divulgação e prática das 14 obras de misericórdia:

 

7 obras espirituais, mais orientadas para questões morais e religiosas:

Ensinar os simples

Dar bom conselho

Corrigir com caridade os que erram

Consolar os que sofrem

Perdoar os que nos ofendem

Sofrer as injúrias com paciência

Rezar a Deus pelos vivos e pelos mortos

 

7 obras corporais, relacionadas sobretudo com preocupações "corporais" (materiais):

Remir os cativos e visitar os presos

Curar e assistir os doentes

Vestir os nus

Dar de comer a quem tem fome

Dar de beber a quem tem sede

Dar pousada aos peregrinos

Sepultar os mortos

 

Com o passar dos tempos a misericórdia portuguesa foi evoluindo, atravessando as várias fases sociais, económicas e políticas.

Expandindo-se pelo território português, e modernizando a sua forma de actuação e criação de receitas, a misericórdia portuguesa é a maior instituição social portuguesa, prestando auxílio a milhares de pessoas.

 

A Santa Casa da Misericórdia de Évora é uma das muitas misericórdias do país, e representa a instituição nesta área alentejana.

Desempenhando a sua função há já vários anos, conta actualmente com várias estruturas de apoio, nomeadamente um hospital, uma creche, dois lares de 3ª idade, uma cantina social, uma Farmácia e uma Igreja.

 

Copyright © 2015 Santa Casa da Misericórdia de Évora. Todos os direitos reservados.